Gestão e Design em Carnaval

Pós-Graduação Presencial

Apresentação

A pesquisa em Gestão e Designer de Carnaval propicia, a partir de um projeto que se efetiva nas relações entre duas ou mais disciplinas, eixos e técnicas o estudo relativo a produção e planejamento do espetáculo carnaval.

O curso propõe o aprofundamento na gestão, na produção, na história do carnaval e das escolas de samba proporcionando uma visão sobre as funções pré-produção, produção e pós-produção do espetáculo. O curso dividido em quatro grandes grupos, são eles: fundamentação histórica, técnicas, julgamento e gestão compreende a elaboração desta grande manifestação artística e popular brasileira dentro de uma perspectiva histórica, técnica e experimental, onde privilegiar-se-á não só a prática, mas também a análise crítica e científica de conceitos e diálogo sobre os objetivos da gestão, do planejamento  e da produção no carnaval.

Tem como finalidade capacitar os alunos para pensar e propor práticas carnavalescas que visem à ampla construção de conhecimento. Habilitando-o em um profissional a criação, transmissão, recepção, construção e desenvolvimento de projetos nos quais a aprendizagem destas linguagens estejam atreladas a conquistas como valorização da produção coletiva, o respeito pela diferença e a criação artística como direito de todo indivíduo.

Além do conhecimento sobre as variáveis envolvidas nessa atividade, a apresentação de métodos e técnicas para manipulação e determinação dessas variáveis e, por fim, a análise de situações reais em planejamento e a discussão sobre as soluções adotadas nos barracões.

Objetivos:
Proporcionar visualização criativa e sistemática dos processos de interação e criação do carnaval, assim como estudar como um todo as fases de projeto, gestão e produção do carnaval.
Aprimorar o exercício em torno da criação artística, transmissão, recepção no carnaval, assim como dominar técnicas, métodos e materiais essenciais dos processos de criação e construção do carnaval enquanto espetáculo.
* Oferecer um mergulho nas potencialidades cênicas do carnaval, a partir de 04 grupos de disciplinas, proporcionando o estímulo e o entendimento das significações deste evento para com outras manifestações artísticas e culturais do nosso país.
*Assimilar conceitos de espetáculo, espetacularização, cultura popular, direção artística, produção, gestão, planejamento, estratégia, processos, logística, operacionalidade e controle.
*Compreender a importância do projeto de produção e do planejamento estratégico do desfile. Interpretar modelos de projetos de pré-produção, produção e pós-produção.
*Elaborar o planejamento estratégico de um desfile. Estabelecer parâmetros de gestão a partir de aspectos administrativos, estruturais, técnicos, logísticos e artísticos para a acomodação do planejamento estratégico elaborado.

Público-Alvo:
Profissionais e pesquisadores das áreas de Dança, Artes Cênicas, Arquitetura, História, Design, Moda, Cultura e áreas afins. Interessados em desenvolver aptidões sobre a temática que envolve Gestão e Design de Carnaval.

Formato do curso:
As Aulas acontecem aos sábados e Domingos, umas vez ao mês, das 8 às 18h.

Disciplinas

  • A disciplina tem como objetivo compreender o estudo e elaboração de projetos de figurinos/fantasias para espetáculos carnavalescos, levando em consideração etapas, como: leitura de texto ou estrutura narrativa, técnica de decupagem de personagens, contextualização histórica e do figurino/fantasia para o carnaval.
  • A disciplina tem como objetivo compreender a importância da historiografia do carnaval. Seus desdobramentos ao longo dos séculos e no Brasil e demonstrar com casos as questões sócio-políticas que faz do carnaval um grande evento social. A formação das escolas de samba e suas especificidades de acordo com cada região. Os diferentes formatos de documentação de carnaval, respeitando as características dos criadores e agremiações.
  • A disciplina tem como objetivo compreender o estudo da história do vestuário, apresentando um panorama da Pré-História à contemporaneidade. Associa o contexto histórico e a visualidade às questões da arte, do teatro e da moda, estabelece paralelos entre as vestimentas, a história e a cultura através do estudo dos trajes e modos de vida ao longo dos séculos.
  • A disciplina tem como objetivo compreender a importância psicológica, sociológica e dramática da caracterização aplicada ao modo de criar figurinos e fantasias para e no carnaval.
  • A disciplina tem como objetivo compreender o estudo de estruturas têxteis e desenvolvimento de alternativas de aproveitamento e criação a partir dos processos de tecelagem, tingimento, estamparia e beneficiamentos diversos, elaborados através de pesquisa individual. Execução de Maquetes têxteis, como alternativa de criação, destinadas aos figurinos teatrais e fantasias para os desfiles de carnaval.
  • A disciplina tem como objetivo compreender a construção de estampas conforme princípios de composição; Tratamentos, estética, textura, forma e harmonia das cores e simulação de técnicas de estamparia, no sistema artesanal. Introdução aos métodos básicos da Estamparia por impressão artesanal. Desenvolvimento de amostras com possibilidades para uma produção de estampados.
  • A disciplina tem como objetivo apresentar os conceitos e discutir o objetivo do planejamento e controle da produção no carnaval em geral. Visa proporcionar uma visão sobre a função pré-produção, produção e pós-produção e seu papel dentro da organização, o relacionamento dessa área com as demais. O foco principal da disciplina consiste em fornecer ao aluno os conceitos relacionados às atividades de planejamento e controle da produção, o conhecimento sobre as variáveis envolvidas nessa atividade, a apresentação de métodos e técnicas para manipulação e determinação dessas variáveis e, por fim, a análise de situações reais em planejamento e a discussão sobre as soluções adotadas nos barracões.
  • A disciplina tem como objetivo compreender o aprendizado das práticas de maquiagem artística dirigida a diversos segmentos. Estudo da cor, forma e do personagem são elementos que compõe as práticas. A maquiagem artística do Carnaval e seus principais personagens: Comissão de Frente, Mestre Sala e Porta Bandeira, Destaques, composições de carros, Alas, Baianas e Bateria, são o objetivo do curso.
  • A disciplina tem como objetivo compreendera exploração dos tipos de materiais expressivos, convencionais ou não, na criação artística de perucas para fantasias/figurinos de alas, composições, comissão de frente como adereços carnavalescos. Exercícios de percepção, imaginação e criação. Proposição de formas para desenvolvimento da observação de referências para a criação artística
  • A disciplina tem como objetivo compreender os estudos dos aspectos físicos e perceptivos da luz e suas aplicações em projetos de iluminação para o carnaval. Observação e estudo dos efeitos luminosos. Projeto de iluminação. Variáveis de conforto e desempenho nos ambientes. Sistemas integrados de iluminação aplicados ao carnaval.
  • A disciplina tem como objetivo compreender a modelagem aplicada ao desenvolvimento de fantasias/figurinos, através da ergonomia do corpo humano e variações dimensionais (vertical e horizontal), por meio de estruturas aramadas ou ferragens.
  • A disciplina tem como objetivo compreender o estudo, análise e reflexão sobre os principais conceitos de cenografia e espaço cênico. Estudo de elementos cenográficos e sua aplicação aos espetáculos das escolas de samba. Elaboração de projetos de alegorias de escolas de samba, levando em consideração etapas, como: croqui, desenho técnico e maquete.
  • A disciplina tem como objetivo compreender a conceituação de estética, enquanto princípio das criações plástico-visuais, contemplando o contexto do espetáculo para os desfiles das escolas de samba.
  • A disciplina tem como objetivo compreender investigar sobre a origem e história do quesito comissão de frente. Além de fazer entender a função da Comissão de Frente nesta manifestação cultural. As aulas teóricas e práticas proporcionaram um maior entendimento sobre este quesito tão importante e suas mudanças ao longo do tempo apresentadas pelas escolas de samba.
  • A disciplina tem como objetivo compreender, embora conhecidos e muito admirados, a Porta-bandeira e o Mestre-sala, e a coreografia por eles desenvolvidas, têm sido muito pouco estudados. Com isso, a literatura disponível é muito escassa ou superficial. Nas últimas décadas, a dança vem tomando características influenciadas por diversos contextos, tais como: constantes mudanças das regras nos desfiles e influências externas, como a mídia. A partir de pesquisa bibliográfica na modesta literatura existente, e das entrevistas, discutiremos na disciplina algumas questões relacionadas com tradição, circularidade cultural e influências que, de alguma forma, participam da formação do casal ano após ano.
  • A disciplina tem como objetivo compreender e entender os dois quesitos de grande relevância nos desfiles de carnaval: harmonia e evolução. A harmonia é a forma como os integrantes da escola desfilam, considerando se há entrosamento ou não dos mesmos com o ritmo e o canto do samba de enredo. Os componentes da escola devem cantar o samba no mesmo tempo que o puxador, a voz principal durante o desfile. A totalidade da voz cantada pela escola durante a apresentação também é elemento considerado para a avaliação da harmonia, ou seja, o grupo precisa cantar em uma única voz. A Evolução é a forma como a dança é apresentada, bem como sua progressão na avenida durante o desfile. Os passos dos integrantes devem estar no ritmo, sendo efetuados na mesma cadência da bateria. A evolução deve ser marcada pela criatividade, empolgação e vibração dos componentes da escola, que devem ter cuidado para não acontecerem espaçamentos relevantes, mais conhecidos como buracos, que prejudicam a visão panorâmica de quem assiste ao espetáculo.
  • A disciplina tem como objetivo sistematizar conceitos vivenciados formal e informalmente no estudo musical do quesito bateria através da organização de conteúdos. Aprimorara as habilidades motoras e perceptivo sensoriais. Discute valores estéticos e estilísticos bem como suas correlações históricas e sociais. Treinamento da percepção rítmica, melódica e harmônica entre instrumentos e sambas enredos.
  • A disciplina tem como objetivo compreender que estudiosos consideram que a dramatização de cortejo carnavalesco com os elementos fundamentais que passaram a constituir os desfiles das escolas de samba já existia nos antigos ranchos e nas grandes sociedades. Sendo o carnaval de 1939 da Portela a primeira referência de dramatização completa em desfiles de escolas de samba, vamos estudar o histórico dos enredos e sambas em termos de conteúdo, significados e regulamentos.
  • A disciplina tem como objetivo proporcionar ao discente maior entendimento sobre o conceito da Ética. Ética dos valores. Fundamentos éticos nas relações pessoais e profissionais. Doutrinas éticas fundamentais. Consciência, virtude e vontade ética. Conhecimento geral do manual do julgador, construção de defesas e justificativas. Termos utilizados. O papel do julgador e profissional responsável pelas defesas e justificativas.
  • A disciplina tem como objetivo compreender o estudo, a visão global, crítica e humanística, de forma a atuar em prol do desenvolvimento geral, criação e desfile das escolas de samba
  • A disciplina tem como objetivo compreender os conceitos de gestão e empreendedorismo. Mudanças nas relações sociais e de trabalho. Características empreendedoras do carnaval. A motivação na busca de oportunidades. O funcionamento de uma escola de samba. Estudo de viabilidade. Plano de negócios.
  • Apresenta a estrutura organizacional do Ensino, bem como, o papel do professor, considerando as perspectivas históricas do ensino brasileiro. Discute desenvolvimento humano e aspectos relacionados a aprendizagem, para organização da prática docente em âmbito acadêmico, considerando a didática como princípio de organização técnica-pedagógica, fazendo ela parte do planejamento, ensino e avaliação de conteúdo, através de diferentes métodos e concepções.
  • Aborda as diferenças entre os tipos de conhecimento, colocando os diferenciais do conhecimento científico e como funciona a sua produção através de diferentes métodos e técnicas de pesquisa. Apresenta processos de análise de fatos, dados, teorias e revisão literária, apontando como elaborar um texto científico, considerando os padrões éticos de pesquisa e autoria, de acordo com as normas da ABNT.
  • O lugar do Sujeito que pesquisa. O planejamento e a reflexão do que sabemos e não sabemos. As tendências educacionais. A avaliação. O que é? Diretrizes contemporâneas. O olhar do professor sobre o processo de aprendizagem. A estrutura de um trabalho de graduação interdisciplinar, artigos científicos e relatórios, são constituídos de três partes fundamentais, de acordo com a ABNT (NBR 14724): elementos pré-textuais, elementos textuais e elementos pós-textuais.

(*) Estas disciplinas acontecem pautadas na Metodologias Inovadoras de Aprendizagem e são oferecidas no AVA – Ambiente Virtual de Aprendizagem acadêmico.

Diferenciais

  • Seu certificado emitido pela Faculdade que é nota MÁXIMA (5) no MEC.

  • Principal curso no Brasil na área de Gestão e Design de carnaval.

  • Aulas presenciais com as maiores referências na área do Brasil.

  • Corpo docente composto exclusivamente por especialistas, mestres e doutores dinâmicos nas suas áreas e com larga experiência no carnaval das principais capitais do Brasil.

  • Matriz curricular inovadora, atualizada e dividida em quatro grupos: fundamentação histórica, técnicas, julgamento e gestão. Pensada por profissionais do carnaval do Rio de Janeiro e São Paulo.

  • Aulas práticas dentro dos barracões, ateliês e centros culturais.

  • Possibilidade de estágio e acompanhamento supervisionado com os professores do curso.

  • Embasamento para produção em outras manifestações artísticas e populares do Brasil.


Supervisor Técnico


Jardel Augusto Lemos

Doutorando em Educação UFRJ. Mestre em Educação, Cultura e Comunicação pela UERJ. Especialista em Saberes e Práticas na Educação Básica – ênfase em ensino de artes/UFRJ. Bacharel em Dança/UFRJ. Licenciado em Geografia/UERJ. Foi professor convidado do curso de Especialização em Figurino e Carnaval na Universidade Veiga de Almeida/UVA - RJ. Professor há seis anos da Faculdade Censupeg, nos cursos de Especializações em Dança Educacional e Artes Cênicas. Foi professor contratado da UERJ no curso de Pedagogia. Atua como professor de Dança Educação e Artes em escolas de ensino formal desde 2012. Trabalhou com coreógrafos/diretores/carnavalescos como Lilibeth Cuenca (Dinamarca), Ghislaine Cavalcanti, Luciana Yegros, Regina Miranda, Fernando Bicudo, Rubens Velloso (SP), Laíla, Alexandre Louzada, Fran Sérgio, Annik Salmon, Hélcio Pain, Jaime Cezário, Paulo Barros, no carnaval do Rio de Janeiro, entre outros. Atuação no quesito Comissão de Frente no carnaval carioca desde 2007 (dançando, julgando e coreografando). Foi coreógrafo do grupo especial na escola Unidos da Tijuca em 2019 e 2020. Bailarino do quesito Comissão de Frente no carnaval carioca de 2008 até 2015 em escolas como Ilha do Governador, Beija-Flôr e Portela. Jurado no Carnaval, quesito Comissão de Frente e outros festivais como todos os grupos do carnaval de Vitória/ES em 2015. Coreografou Carros, Alas e Casais de Mestre Sala e Porta bandeira no RJ e RS. Soma 10 premiações no carnaval do RJ.

Professor


Vinícius Ferreira Natal

Vinícius Natal é graduado em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Mestre e Doutor em Sociologia e Antropologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atuou como diretor de pesquisa do Centro Cultural Cartola - atual Museu do Samba - desenvolvendo ações voltadas ao Patrimônio Imaterial (2012-2017), além de ter exercido a função de diretor cultural do GRESU Vila Isabel por 5 anos (2014-2019). É co-autor do livro "As Titias da Folia: O Brilho Maduro de Escolas de Samba de Alta Idade" e autor do livro "Cultura e Memória nas Escolas de Samba do Rio de Janeiro: Dramas e Esquecimentos", premiado no Concurso de Monografias do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro com menção honrosa. Pesquisou e elaborou a sinopse, em parceria com os carnavalescos Gabriel Haddad e Leonardo Bora, do GRES Acadêmicos do Cubango em 2019 - Igba Cubango - A Alma das Coisas e A Arte dos Milagres" - e para o GRES Acadêmicos do Grande Rio, para 2020 - Tata Londirá - O Canto do Caboclo no Quilombo de Caxias". Exerceu a função de julgador do carnaval dos grupos de acesso e mirim do Rio de Janeiro, além das cidades de Friburgo (RJ) e Uruguaiana (RS) . Foi professor de História do CAP -UERJ e, recentemente, ocupou o cargo de Coordenador de promoção das Políticas de Igualdade Racial no município do Rio de Janeiro.

Professora


Viviane Martins

Mestre em Artes pela Uerj e graduada em Licenciatura Plena em Educação física pela UFRJ. Coordenadora do Projeto Minueto do Samba para casais de mestre-sala e porta-bandeira. Coreografou os casais de mestre-sala e porta-bandeira das seguintes agremiações: segundo casal Unidos de Padre Miguel (2014 a 2017), primeiros casais das escolas: Acadêmicos da Rocinha (2017 e 2018), Renascer de Jacarepaguá (2012, 2013, 2018 e 2019) São Clemente (2018)e Acadêmicos do Cubango e Renascer de Jacarepaguá (2019). Atuou como porta-bandeira no Arranco do Engenho de Dentro (2004 a 2006) e Boêmios de Inhaúma (2006). Atuou como jurada do quesito mestre-sala e porta-bandeira nos carnavais de Guaratinguetá, São Paulo, Três Rios e Uruguaiana. Avaliadora do quesito mestre-sala e porta-bandeira na AESMRIO de 2011 a 2016. Integrou a companhia de dança folclórica Cia do Rio - UFRJ de 2002 a 2012. Integrou o grupo de danças folclóricas da extinta Universidade Gama Filho de 1997 a 2000. Auxiliou na coreografia dos Jogos Panamericanos 2007 e na Copa de 2014 coreografando casais de mestre-sala e porta-bandeira. Coreografou o grupo de abertura da Quadrilha do Sampaio de 2004 a 2011.

Professor


Marcus Paulo

É Carnavalesco na cidade do Rio de Janeiro, com passagens nos últimos sete carnavais pela Escola de Samba Unidos da Tijuca. Atualmente assina os carnavais das Escolas de Samba Acadêmicos da Rocinha, e Unidos de Bangu. Responsável pelos projetos artísticos das agremiações: Idealiza, pesquisa, conceitua, projeta; Desenvolvimento e produção dos desfiles. Mestrando em Design na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (EBA-UFRJ). Pós-graduado em Docência No Ensino Superior na Universidade La Salle (UNILASALLE-RJ). Pós-graduando em Cenografia na Universidade Veiga de Almeida (UVA-RJ) e MBA em História da Arte e Artes Visuais UCAM-RJ. Graduado em Design Gráfico pela Universidade Estácio de Sa? (UNESA-RJ). Pesquisador do Observatório de Carnaval do Museu Nacional da UFRJ, com vínculo ao Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som (LA?BEIS).

Professor


Tiago José F. Batista

Doutorando em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ pesquisando Carnaval, linguagem, enredo e samba-enredo. Doutorando em História da Arte pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro/UERJ pesquisando Carnaval, História, Arte e Religião. É mestre em Letras concentrado em linguagem e estudos de diversidade cultural pesquisando Carnaval e Cultura. Cursou especialização em Tecnologias e Educação à Distância pela UNIMAUÁ de Ribeirão Preto. Tem MBA em Gestão de Marketing e Comunicação Integrada pela Universidade Cidade de São Paulo. Tem Especialização em Docência no Ensino Superior pela Universidade Cidade de São Paulo. Concluiu Licenciatura em Letras/Literaturas. É pesquisador do Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som do Museu Nacional da UFRJ. É líder do Grupo de Pesquisa Observatório de Carnaval - OBCAR também vinculado ao Museu Nacional da UFRJ orientando estudantes de graduação em linhas de carnaval e texto (enredo e samba-enredo), carnaval e musicalidades (samba-enredo e bateria) e carnaval e negócios (turismo, empreendedorismo e projetos). Atua como enredista no Carnaval do Rio de Janeiro com passagens pela Unidos de Bangu, Unidos da Ponte e Imperadores Rubro-negros. Já atuou como julgador do Carnaval virtual e do carnaval de maquetes.

Professor


Luiz Gustavo F. de Souza

Mestrando em Artes visuais e graduado em Artes Cênicas, com habilitação em Indumentária e Cenografia, ambos pela Escola de Belas Artes – UFRJ. Docente das disciplinas História da Arte e Artes em Instituições de Ensino. Atua no carnaval carioca desde 2009 como figurinista e aderecista, participando da confecção de diversas fantasias e figurinos ao longo desses anos em várias agremiações cariocas. Atua também como figurinista teatral e já participou de diversas montagens na cena teatral carioca além de ser jurado do quesito de figurinos e cenários no circuito junino carioca.

Professor


Sidney França

PAULISTANO, CARNAVALESCO E DIRETOR ARTÍSTICO, graduado em Economia (Universidade Mackenzie) e em graduando em História (Universidade Paulista). Cursos livres de História da Arte, Desenho Artístico, Desenho Arquitetônico e Produção Cultural. Autoria dos enredos de carnaval (enredista) do G.R.C.E.S. Mocidade Alegre (2005 a 2016). Diretor Cultural responsável pelo resgate e manutenção dos valores históricos do G.R.C.E.S. Mocidade Alegre (2006 a 2016). Responsável pela pesquisa, argumentação, criação textual, concepção visual e direção artística (carnavalesco) dos desfiles de carnaval do G.R.C.E.S. Mocidade Alegre (2009 a 2016), do G.R.C.S.E.S. Unidos de Vila Maria (2017), do Grêmio Gaviões da Fiel Torcida (2018 e 2019) e do G.R.C.S.E.S. Águia de Ouro (2020 e 2021). Vencedor do Troféu Nota 10 do Diário de São Paulo na categoria Melhor Carnavalesco (2011, 2012 e 2013). Realizou a Direção Artística do Projeto Canto Livro de Literatura e Música, sobre a valorização da leitura e do saber através da musicalidade (2013 a 2017). Fez a curadoria da exposição “Será Que El_ É?” do Museu da Diversidade Sexual de São Paulo, sobre gêneros no Carnaval e a questão da orientação sexual na folia brasileira (2017). Ministra palestras sobre Carnaval em diversas Secretarias de Cultura do Estado de São Paulo e realiza workshops sobre a cultura do samba e do carnaval (2010 a 2020).

Professor


Jessé Cruz

Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Mestre em Educação pela FURB (Universidade de Blumenau/SC, 2018) com a linha de pesquisa de Linguagens, Arte e Educação", com foco no estudo do Corpo Negro na Dança, faz parte do Grupo de pesquisa "Arte e Estética na Educação" cuja pesquisa é baseado na Artes a partir da epistemologia A/r/tográfica. Idealizador do Congresso Brasileiro de Dança Educacional. Coordenador nas Especializações do Centro Sul Brasileiro de Pesquisa Extensão e Pós-Graduação nos cursos de Artes Cênicas e Dança Educacional e no Curso Técnico do Governo do Estado de Santa Catarina - Joinville/SC. Docente como professor convidado de algumas Universidade do Sul do Brasil. Atualmente é coreógrafo de comissão de Frente de Escolas de Sambas na cidade de Florianópolis, Joinville e São Francisco do Sul, mas passando por Rio de Janeiro e São Paulo e professor/coreógrafo convidado da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil. Dentro da tecnicidade da dança, pesquisa o corpo a partir das manifestações populares brasileiras hibridadas nas ações contemporâneas e estudo do corpo e no estudo das caracterização, processo de criação e execução na montagem dramaturgia da caracterização cênica. Desenvolve trabalho para formação e capacitação de jurados e assistência em processos de regulamentação, legislação e instruções para eventos como carnaval, festival de dança, entre outros.

Professor


Macaco Branco

Mestre de bateria da Unidos de Vila Isabel, desde 2018, sua escola do coração. Foram dois carnavais no posto, tendo conquistado prêmios como o Estandarte de Ouro de Revelação em 2019 e o Estandarte de Ouro de melhor bateria em 2020, ano em que garantiu os 50 pontos, a nota máxima no comando dos ritmistas da Swingueira de Noel. É músico e já gravou com os maiores nomes da música brasileira. leva a nossa cultura a todos os cantos do Brasil e do mundo. Mestre no samba, mestre na cidadania. Macaco Branco ensina sua arte em projetos sociais importantes e tem a marca do talento e do compromisso com a alegria do seu povo.

Professor


Gabriel Haddad

É mestre em Artes pelo Programa de Pós-graduação em Artes (PPGArtes) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e bacharel em Relações Internacionais pelo Centro Universitário La Salle - Niterói (2010). Desde o carnaval de 2020, assina como carnavalesco, em parceria com Leonardo Bora, o projeto artístico do GRES Acadêmicos do Grande Rio. Além disso, trabalhou como assistente para diversos carnavalescos em escolas do Rio de Janeiro e São Paulo, como Mocidade Independente de Padre Miguel, Portela, Estação Primeira de Mangueira, Acadêmicos do Grande Rio, Gaviões da Fiel, Unidos de Vila Maria, Vai-Vai, dentre outras. Como carnavalesco, atuou nas escolas Mocidade Unidade do Santa Marta, Acadêmicos do Sossego e Acadêmicos do Cubango, sagrando-se três vezes campeão dos carnavais da Intendente Magalhães (Santa Marta 2013 e 2014; Sossego 2016), duas vezes ganhador do Estandarte de Ouro de Melhor Escola da Série A (Cubango 2018 e 2019) e uma vez ganhador do Estandarte de Ouro de Melhor Escola do Grupo Especial (Grande Rio 2020). Durante o mestrado estudou as relações entre cultura popular, arte contemporânea e carnaval através do processo criativo do desfile de 2019 da Acadêmicos do Cubango. No Observatório de Carnaval - OBCAR/UFRJ está credenciado nas linhas de a) artes da cena, artes visuais, arte da narrativa e história da arte e b) texto, imagem, discurso e arte da narrativa.

Professor


Leonardo Bora

Leonardo Augusto Bora é doutor em Teoria Literária pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Bolsista CNPq), com período de mobilidade acadêmica (Doutorado Sanduíche) na Université Nice Sophia Antipolis (Bolsista Erasmus +), em Nice, França. Defendeu a tese "Brasil, Brasil, Breazail: utopias antropofágicas de Rosa Magalhães", em maio de 2018. Mestre em Teoria Literária (2014) pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da UFRJ (Bolsista CNPq), tendo defendido a dissertação "A Antropofagia de Rosa Magalhães", em fevereiro de 2014. Licenciado em Letras Português - Inglês (2009) pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (com bolsa de estudos integral concedida pela própria instituição) e Bacharel em Direito (2011) pela Universidade Federal do Paraná, onde foi bolsista de Iniciação Científica (bolsas Tesouro Nacional e CNPq) na linha de pesquisa "Direito e Literatura: narrativas emancipatórias" e defendeu monografia intitulada "O Direito Pego Pelo Rabo: Aliceando Themis". Atualmente, é Professor Substituto do Departamento de Artes Teatrais - BAT da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, ministrando aulas para o curso de Artes Cênicas, habilitações em Cenografia e Indumentária. Desenvolve pesquisas sobre narrativas de desfiles de escolas de samba, com ênfase na obra de Rosa Magalhães. Foi Professor Substituto (2015-2016) do Departamento de Arte - GAT da Universidade Federal Fluminense, ministrando aulas para o curso de Produção Cultural (Procult - IACS). Participa dos grupos de pesquisa Laboratório da Arte Carnavalesca (LAC - UERJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos Carnavalescos (NIEC - UFRJ) e Observatório de Carnaval (LABEDIS - Museu Nacional/UFRJ). Desenhista, escritor e carnavalesco, elabora narrativas, ilustrações e projetos visuais para publicações variadas e agremiações carnavalescas, tendo assinado, em 2020, o desfile do GRES Acadêmicos do Grande Rio, em parceria com Gabriel Haddad.